Mostrando postagens com marcador alho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador alho. Mostrar todas as postagens

domingo, 20 de março de 2016

molho de tomate: economia e multi utilidades

este molho é uma base ... uma mão na roda!!!
a partir dele é possível fazer qualquer preparação, inclusive servido como parte de uma salada, ele substitui o tomate inteiro cobrindo as folhas verdes. faço bruschetta com ele, pizza, serve como molho pra ovos etc.

é fácil fazer!!!

ingredientes: 14 tomates - bem lavados, inteiros, com pele e semente 1 cebola inteira grande 1 caixinha de purê de tomate 1 dente de alho amassado, 1/2 cebola, óleo e sal

bata no liquidificador, os tomates inteiros, a cebola inteira e a caixinha de purê.
coloque óleo numa panela grande e refogue alho, cebola e sal - usei o meu tempero que, quem quiser, pode pegar a receita aqui!!! - acrescente o tomate batido, e cozinhe por 15 minutos em fogo baixo.
a seguir, deixe esfriar, e guarde em vidros para usar quando necessário.

abracadabra et, voilà!!!

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

espaguete, alho, óleo, abobrinha e manjericão ...

o astro é o manjericão orgânico, em abundância, e bem cheirosinho ... a abobrinha equilibra tudo ... e o alho torna tudo possível!!!

ingredientes:
1 pacote de espaguete
2 cabeças de alho
1 ou 2 abobrinhas cortadas à juliana - tirinhas
azeite de oliva ou óleo de girassol
1 maço de manjericão - utilize folhas e flores
sal

preparando:
é fundamental que haja abundância de água pra cozinhar o macarrão, salgue, e não há necessidade de colocar óleo na água, inclusive porque ele impermeabiliza a massa, e não permite que o tempero/molho se prenda a ela.
escorra o macarrão e passe rapidamente pela água fria ... isto faz a massa ficar soltinha e ... principal!!! interrompe o cozimento.

pra fritar o alho no óleo use a mesma panela do cozimento da massa ... economia de louça!!! aqueça o azeite ou o óleo de girassol e doure o alho. retire o alho. reserve.
na mesma panela, no mesmo óleo, refogue a abobrinha tomando cuidado pra não desmantelar as tirinhas. tempere com o sal, desligue o fogo e junte o alho reservado.

e, lembre-se!!! é sempre o macarrão que vai ao molho, portanto, frito o alho/abobrinha, despeje sobre eles o macarrão escorrido ... misture todo mundo, e enfeite com bastantes, bastantes, bastantes, ... folhas de manjericão ...

abracadabra et, voilà!!!
requeri/regina claudia

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

churrasco de apartamento, pão de alho e molho de cenoura pra salada

o sonho dos invejosos moradores de apartamento é fazer churrasco.
as churrasqueiras vendidas por aí, aquelas que os vendedores insistem em chamar de apropriadas, são caras, muitas nem sempre cumprem o prometido, não nos privam do fumacê que insiste em fazer parte da festa, ou do trem de cozinha que fica lá, nos aguardando sobre a pia.
foi então que, escritório e apartamento, irmanados em união sem precedentes, nos trazem uma alternativa barata, sem possibilidade de erro ou decepção, livre da inconveniente fumaça e, quem sabe, pouquíssima louça pra lavar, caso você opte por uma assadeira descartável.
a coisa toda se passa dentro do envelope de papel pardo, aquele usado para envelopar documentos escritos em folha de papel ofício. sabe qual???

a costela
ingredientes:

2 quilos de costela bovina - escolha um pedaço robusto, mas com pouca gordura
1 envelope grande - daqueles que se usa em escritório
azeite de oliva próprio para culinária, ou seja, não precisa ser o extra virgem
grampeador, também usado em escritório
sal
1 assadeira grande, que pode ser do tipo descartável

preparando:
ligue o forno em temperatura quente.
corte a carne em 2 pedaços e tempere com sal.
coloque o envelope sobre a assadeira e passe azeite de oliva em suas duas faces - nas duas faces externas, apenas. com a ajuda da mão espalhe de um lado, vire o envelope e espalhe do outro lado. o envelope deve ficar encharcado de azeite. o azeite prenetará no interior do envelope.
arrume os pedaços de costela dentro do envelope. feche a aba do envelope e grampeie, como se estivesse preparando uma encomenda.
coloque o envelope em uma forma e leve ao forno preaquecido por 1 hora.
desembale a costela cortando, com cuidado para não se queimar com o vapor, o envelope que a envolve.

sirva com farofa, salada, e pão de alho.

pão com alho
ingredientes e preparo:

misture 1 xícara de maionese, 8 dentes de alho espremidos, suco de 1/2 limão, 100g de queijo parmesão ralado e 1 xícara de salsinha e cebolinha picadas. passe a mistura num filão de pão italiano cortado ao meio no sentido do comprimento, ou sobre fatias de um pão italiano redondo. leve ao forno para dourar, rapidamente. cuidando para não deixar o pão torrado e duro.

molho de cenoura para temperar a salada
ingredientes e preparo:

3 cenouras medias cruas
1 cebola média
1 ou 2 dentes de alho
1 vidro pequeno de maionese
1 caixinha de creme de leite - 200g
1/4 de xícara - chá - de vinagre
1/2 xícara - chá - de suco de limão
1 xícara - chá - de azeite de oliva extra virgem
sal ou caldo de legumes em pó e orégano a gosto

bata tudo no liquidificador, em velocidade média, deixando mais liso ou mais granulado, conforme a sua preferência.

abracadabra et, voilà!!!
requeri/regina claudia

sábado, 30 de outubro de 2010

a receita das sete latinhas



a medida é a latinha pequena de conserva. qualquer uma: milho verde, creme de leite, ervilha, ... mormente porque, alguns dos ingredientes desta receita, estarão acondicionados nelas, nas latinhas.

as sete latinhas
1 lata de creme de leite
1 lata de ervilha
1 lata de milho verde - eu utilizo o milho batido, com sua água, no liquidificador
1 lata de qualquer dos ingredientes:
  • peito de frango desfiado
  • sobrecoxa desfiada
  • presunto picado bem miúdo, ou passado no processador, ou ralado
1 lata de champignon em fatias
1 lata de maionese
1 lata de queijo gorgonzola amassado e/ou ricota amassada
1 colher de sopa do meu tempero ... a receita está aqui

como resolver a encrenca
preaquecer o forno na temperatura média - cada forno é um forno. aqui no lar o preaquecimento é nos 180 graus. untar, com óleo de canola, uma forma ou uma travessa de vidro refratário.
em uma vasilha, misturar os ingredientes e, depois de misturados, colocar a mistura na forma, ou refratário untado. salpicar com queijo ralado e levar ao forno.
servir com batata palha, com arroz branco, com variados tipos de pães ...

quinta-feira, 29 de julho de 2010

crie sua horta suspensa


a falta de espaço, a praticidade, a originalidade são agentes facilitadores pra uma proeza engraçada: criar uma horta vertical, utilizando uma sapateira.
garimpando verdurinhas para o blogg, deparei com aquilo que chamou a atenção pelo inusitado, e por abrigar particularidades bizarras, a ponto de minimizar as diferenças existentes entre, uma horta num quintal, e uma horta no interior de um apartamento.
a horta na sapateira é fácil de criar, fácil de manter, e se adapta a qualquer parede ou porta de uma casa ou apartamento.
encontrei num blogg, o rainha da sucata -
aqui - fotos, e a explicação, direitinho, de como fazer brotar verdurinha onde, antes, brotava sapato.

horta é o nome de uma cidade portuguesa.
horta é a tradução pro grego moderno de χόρτα, ou χόρτο, no plural.
horta significa grama, ou vegetais verdes.
a grécia é uma horta a céu aberto. a fartura do verde inclui desde ervas daninhas e não comestíveis para humanos e animais, até as folhas frescas da alcaparra, a chicória, o tomilho, orégano, menta, alho, cebola, endro e folhas de louro, manjericão, funcho ... existe uma infinidade de tipos que crescem dependendo da região e da estação. a culinária grega é, fundamentalmente, vegetariana, muita sopa, muita salada, e tudo temperado com muito limão e azeite de oliva.
os vegetais salvaram o povo grego da fome em situações difíceis da história, como a segunda guerra.

cria uma hortinha suspensa, colhe algumas verduras fresquinhas e faz uma salada grega:


verduras frescas da sua escolha
2-3 colheres - sopa - de azeite de oliva
3 dentes de alho amassados ou picados
1 xícara - chá - de água com 1/4 colher - chá - de sal marinho
pimenta preta, fresca ralada
limão cortado, dependendo de quantas pessoas você convidar

lave as verduras e não precisa secá-las.
doure o alho no azeite, sem queimar. quando ele começar a mudar a cor, adicionar as verduras e mexer bem. adicione a água e deixe ferver por 5 minutos. retire a verdura com uma escumadeira, escorrendo a água. sirva com o limão, separadamente, para que cada començal esprema o suco fresco sobre os verdes, e ao seu gosto.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

arroz, simples assim

vou, sim, ensinar uma receita de arroz, purinho, branquinho, sem nenhuma alegoria, pois, muita gente não sabe ou não acerta cozinhar o grão amigo de cada dia - no brasil é inimaginável uma mesa sem o arroz.
o arroz é um cultivo, fundamentalmente, asiático. no japão, o arroz é cultivado há muito tempo, aproximadamente 7.000 anos e nas filipinas, os arrozais de banaue, existem faz 2000 anos. os terraços para o cultivo do arroz em banaue, são enormes degraus esculpidos nas montanhas de ifugao, a 1500 metros acima do nível do mar, que se extendem por quase 11000 quilometros quadrados, e os filipinos referem-se a eles como a oitava maravilha do mundo. se os degraus fossem colocados lado a lado, cercariam metade do nosso planeta.
a plantação de arroz em terraços é uma das imagens mais confortantes e bonitas de olhar, e a planta dos arrozais é suave e agradável. a bela paisagem dos arrozais em terraços são para o planeta, uma inestimável herança ecológica.
tanto lá como cá, as formas de plantio variam. elas bailam entre o cultivo irrigado em terraços abertos, feitos em montanhas íngremes, o plantio e colheita com as mãos em lavouras irrigadas com o auxílio de baldes, cuja produção por hectare ultrapassa a brasileira, e a nossa, totalmente mecanizada.
o nosso país é o nono lugar na produção mundial de arroz irrigado e está no rio grande do sul, 85% da produção nacional.
a quase totalidade da população mundial sobrevive com o cultivo do arroz, seja como fonte de renda, trabalho ou alimento. o arroz é parte fundamental na cultura de muitos povos pros quais ele é razão de festejos, simboliza abundância, vida, fertilidade, artes plásticas, música, religião.
no japão, os arrozais, sustentam uma arte espetacular que pode ser vista aqui, em fotos batidas por um bloggueiro perdido no japão - o alexandre - que eu achei pra apresentar a vocês. abram o link - aqui - e leiam as legendas das fotos, que dizem como funciona essa maluquice de arte em arrozal.
japão, um país tão pequeno, com idéias tão colossais.
um pais como o japão, montanhoso, um arquipélago composto por pequenas ilhas, vive daquilo que retira da natureza, ou seja, peixe e arroz.
a melhor referência dessa combinação é o sushi, alimento delicioso preparado com aqueles dois ingredientes.
no princípio, o sushi consistia em deixar o peixe embrulhado no meio do arroz, durante meses, para fermentar. é desse processo que deriva o sushi que se come hoje. muitos restaurantes em tokyo ainda servem assim, o sushi original ou nare-sushi, feito com carpa de água doce. deixar de ser uma forma de conservação do peixe, e passar a quitute apreciado no mundo todo, aconteceu no início do século XX.
as receitas para o preparo do arroz variam de povo pra povo, de casa pra casa, depende de cada cultura, de cada gosto ou dos caminhos que elas percorrem para que sejam disseminadas.

medidas:
concha = sopa
colher = sopa

duas conchas de arroz. lave e deixe escorrer por uns 5 ou 10 minutos. ponha na panela com 2 colheres de óleo. deixe fritar, em fogo médio, até que fiquem sequinhos, soltos uns dos outros - eu chamo isso de pururuca. acrescente duas colheres, fartas, do meu tempêro. sinta o cheiro nessa hora ... é demais!!! refogue por uns 5 minutos, mexendo sempre, atentamente. coloque 4 conchas de água, fria, ou seja, 2 vezes cada tanto do que vc colocou de arroz. coloque um pequeno punhado de sal e experimente. ficou legal??? ótimo!!! ficou sem sal??? vá pondo aos poucos até ficar do seu gosto. deixe cozinhar com meia tampa e fogo médio até que quase seque. quando estiver quase seco, desligue, tampe a panela, enrole num pano e guarde no forno até servir. para um resultado melhor ainda, depois que refogar com o meu tempêro, antes da água, desligue o fogo e deixe descansar por uns 40 minutos. passado esse tempo, coloque a água e ligue o fogo, médio. o cheiro, durante o a fervura é delicioso.
é isso.

meu tempero ... tempera tudo

este tempero deveria ser a primeira receita a ser publicada. afinal, com ele são temperados os pratos salgados do meu blogg.
quanto às medidas, vou tentar orientar os meus quase 19 leitores da forma mais prática possível, para que fiquem à vontade, seguros e livres para adaptar ao seu gosto. criar e inventar é um bom lema na cozinha.
ingredientes:
3 cebolas grandes
2 cabeças de alho
1 potinho/200 g de alho picado - industrializado que se encontra em qualquer mercado 1/2 xícara de óleo - evita que crie água
1 maço de coentro - opcional - se for usar, ele pode ser substituído por 1 maço de manjericão ou por 2 maços variados ... coentro e salsinha ou manjericão e salsinha ... 15 folhas de louro opcional

preparando:
bater todos os ingredientes no liquidificador, armazenar num pote de vidro, limpo e seco, com tampa plástica, e guardar na geladeira.

as ervas: louro, salsinha, manjericão, coentro, ... são opcionais. eu gosto muito porque alegra o tempero, e agrada ao meu olhar.

importante: não coloco sal. assim tenho liberdade para salgar o alimento sem riscos.


sardinha escabeche na panela de pressão


ótima oportunidade para a sardinha abandonar sua condição de espremida, e cair fora daquela latinha pobre, inexpressiva e minúscula. um peixinho que tem sua origem no mar da sardenha - sardenha, sardinha, bem apropriado - não poderia ser tratado assim. afinal, um dia, ter se rebelado contra o espaço limitado que lhe oferecia o mar mediterrâneo, e disseminado cardumes e mais cardumes oceanos afora, não teria sido em vão.
além de comuns e baratas - in brazil - são deliciosas e possuem a gordura boa que fornece, a quem se alimenta delas, o poderoso ácido graxo ômega-3 encontrado em peixes estrangeiros de estirpe, habitantes de águas geladas.
aqueles, precisam armazenar gordura pela sobrevivência em seu ambiente, e a sardinha, que vive em águas temperadas, armazena a mesma gordura como reserva de energia, pra manter sua vida migratória, aventureira e agitada.
ingredientes

1 xícara/chá de vinagre
1 xícara/chá de azeite ou óleo de boa qualidade
1 kg de sardinhas limpas
2 pimentões verdes médios cortados em cubos
1 pimentão vermelho cortado em cubo - opcional
2 cabeças grandes de alho - os dentes cortados em fatias grossas
3 folhas de louro
1 saches de caldo de legumes
1 sache de sazon, qualquer sabor: alho, alecrim, ...
2 cebolas grandes cortadas em tiras
molho de tomate a gosto


preparando

forre o fundo da panela de pressão com azeite, algumas tiras de cebola, um pouco do molho de tomate e alguns cubos de pimentão.
ajeite as sardinhas, e o restante dos ingredientes em camadas sobrepostas finalizando com azeite e/ou óleo, e vinagre.
leve ao fogo, e quando começar a ferver/chiar diminua a chama do fogão e deixe por 20 minutos.
faça de um dia pro outro, pois, a panela deverá ser aberta, apenas, quando estiver fria - recomendo, no dia seguinte.
como prato principal ou entrada, a sardinha escabeche pode ser mantida na geladeira de 10 a 15 dias.
acompanha arroz, salada de batatas, pão italiano, ...

escabeche modificado:
é possível usar a mesma receita, os mesmos ingredientes, proceder da mesma forma depois de cozido, apenas substituindo a sardinha por beringela e/ou abobrinha cortadas em fatias longitudinais ... basta não fazer na pressão, e controlar o cozimento pra que elas fiquem al dente ou ao gosto de cada um.
importante: jamais utilize água!!!

é isso.

bacalhoando com eça de queirós

"... a cozinha e a adega exercem uma larga e directa influência sobre os homens e a sociedade." (eça de queirós em seu texto em prosa, cozinha arqueológica)

além disso, eça de queirós, sitou a culinária em seus livros, muito mais de 2.000 vezes. em os maias, primo basílio e o crime do padre amaro, por exemplo, são páginas e mais páginas a descreverem refeições. a personagem da criada juliana, em primo basílio - uma paixão - é a referência culinária à tradicional sopa lusitana, homônima, feita à base de batata, cenoura e couve. no capítulo VIII de os maias, eça de queirós refere ao bacalhau do poeta alencar, e no crime do padre amaro alude ao banquete do abade de cortegaça ...

inspirada em eça de queirós, nesta páscoa, costumizei a receita da tradicional bacalhoada familiar, e o resultado foi retumbante.

antes, de cumprir a ação prazerosa e divertida de bacalhoar, tem a estória de bacalhau e de vinho

bacalhoada, tal qual, zé nascimento

quem participa???
800 g de lascas de bacalhau dessalgado
1,2 kg de batatas
340 g de molho de tomate
3 pimentões, verdes, pequenos cortados em cubos
1 lata de ervilhas, com a água
1 abobrinha italiana, grande, ralada ou cortada em pequenos pedaços
2 cabeças, grandes, de alho - corte os dentes em fatias grossas
4 cebolas, médias, cortadas em rodelas
azeitonas verdes
azeite de oliva virgem

como participa???
antes de tudo, acenda o forno.
com o tempero de sua preferência, refogue os pimentões, a abobrinha e a lata de ervilhas. reserve.
frite o alho em azeite de oliva. reserve.
corte as batatas e as cebolas. reserve.
numa travessa ou bacia grande coloque o bacalhau, a batata, a cebola, o molho de tomate, a azeitona, o alho, e misture muito bem, com a mão mesmo, até que fiquem, todos os ingredientes, bem juntinhos.
escolha uma vasilha confortável e apropriada para assar esta delícia. pode ser de louça mas se for de barro, com tampa estará cumprindo o padrão.
coloque parte da mistura, intercale com o refogado de ervilhas, pimentões e a abobrinha, cubra com o restante da primeira mistura, regue com azeite de oliva virgem, tampe e leve ao forno, pré aquecido e alto.
o nariz da cozinheira é o melhor sensor. assim que começar a sentir um cheirinho bom, abra a travessa e certifique-se de que há fervura no caldo formado dentro da assadeira. tampe novamente e feche o forno. daí, é dar o tempo para que a batata cozinhe. na próxima abertura da tampa, espete uma rodela de batata com uma faca para sentir se está cozida. se estiver, retire a tampa e deixe dourar. se perceber que a faca entrou com dificuldade volte a tampa, e deixe assim por mais um tempo no forno, até que a batata esteja cozida e tudo pronto para dourar.
fogão, cada um sabe do seu.
o processo de assar, com a assadeira tampada, aqui em casa, demorou mais de 1 1/2 hora. isso por que a alquimia, assistida e controlada por quem lhe fornece o nome, era reclamada a cada minuto, como um choro ... tô com fome ...

é isso.