Mostrando postagens com marcador massa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador massa. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

massa caseira/spätzle com molho de legumes

esta receita é muito fácil, boa de preparar, surpreendente.

porém, antes de tudo, e como este blogg eu criei pra ser um tratado sobre comidinha e escritos saborosos, quero dar uma idéia do que significa a palavra spätzle, a versão gringa do nome desta massinha simpática e delicada.

by the way, spätzle/spätzli/chnöpfli/knöpfle/nokedli/galuska é um tipo de macarrão ou bolinho à base de ovos, de textura macia encontrada na culinária do sul da alemanha e da áustria, suíça, hungria, sul do tirol, e no leste da frança.

a origem fiel e verdadeira do nome spätzle não é conhecida com precisão.
por mim e pelo blogg, adotei uma versão bem simpática e convincente: ela diz que antes de existir o utensílio apropriado pros alemães fazerem a massa, uma espécie de peneira com furos grandes - e que continua não sendo de utilização obrigatória - eles moldavam pequenos pedaços de massa com a mão, que eram cozinhados em água fervente. seu formato era associado ao pássaro pardal, spatz, depois spätzle, pardalzinho. que seja!!!
então, a massa caseira, manual, é chamada spätzle, que quer dizer, literalmente, pardalzinho/pequeno pardal, no dialeto alemânico.

na alemanha, o späetzle é servido como um prato muito parecido com batatas ou arroz, e é muitas vezes acompanhado de um molho ... qualquer molho!!!
há versões da massa que podem ser manipuladas formando pequenos bolinhos redondinhos ou sem forma, e rolinhos. mas esta é uma outra receita, que vou deixar pra uma outra vez. aguardem!!!
os bolinhos späetzle podem ser cozidos e depois fritos num pouco de manteiga com cebola, e/ou alho porró, e/ou cebolinha verde, ... fundamental o uso da imaginação!!!

a versão da receita de hoje, é um massa mole que vai pra dentro da panela com água fervente, auxiliada por uma faca.
o alho selvagem/alho do urso é, originalmente, o ingrediente principal deste prato.
porém, ele não é encontrado com facilidade entre os vegetais com os quais estamos habituados.
foi então, que substituí pelo alho japonês/nira, picado, como se fosse o outro, misturado com algumas gotas de água e um bom toque de azeite de oliva, e bem esmagado com uma 'varinha mágica'/pilão ou mixer, e depois incorporado à massa.

o resultado, depois de tudo junto, massa e molho de legumes, muçarela ralada, nozes ou amendoim torrado e sem pele, tostado no azeite, é um prato muito bom, de massinhas verdes, compridinhas e delicadas.
o molho de legumes é preparado como uma espécie de receita mediterrânea, cheia de frescor.

ingredientes para o macarrão:
500 gramas de farinha de trigo
5 ovos
1 1/2 maços de alho japonês, limpo, lavado e picado
sal
fio de azeite
algumas gotas de água

ingredientes para o molho e guarnição:
200 g de amedoim torrado, sem pele, triturado

1/2 litro de caldo de legumes
2 cenouras, descascadas e cortadas em cubos pequenos
1 alho porró
1 abobrinha
um punhado de vagem macarrão - não tem fio
1 cebola grande, descascada e cortada em cubos pequenos 1 punhado de cebolinha, cortada 2 dentes de alho descascados e picados 1 maço de manjericão lavado, separadas as folhas, e as flores, se houver azeite de oliva
caldo de legumes
um pouco de mel ou glucose de milho
sal
pimenta
amido de milho para obter liga e cremosidade ao molho
500/600 g de muçarela ralada - pode ser outro queijo que derreta
azeite de oliva

preparando o macarrão: coloque água salgada pra ferver.

amasse com um pilão, ou bata com um mixer, as folhas do alho japonês, o azeite e algumas gotas de água. junte a farinha, os ovos, as folhas do alho amassadas e acerte o sal.
a massa não deve ficar muito grossa. deixe descansar por 10 minutos.
coloque um pouco da massa numa tábua e, com a ajuda de uma faca, deslize tiras da massa pra dentro da panela onde ferve a água.
cada macarrãozinho que vai flutuando, indicando que está cozido, deve ser recolhido, passado na água fria, com a ajuda de uma escumadeira, e levado, delicadamente, pra um local onde escorrerá o excesso de água - pode ser o escorredor de macarrão ou de arroz.
conforme vai escorrendo, cada pequena quantidade, deve ser colocada numa assadeira untada com leve camada de azeite, pra aguardar a sua utilização.
preparando o molho de legumes: dissolva o amido de milho em um pouco de caldo de legumes morno/frio. reserve.

em uma panela grande esquente o azeite de oliva, refogue os 2 dentes de alho, as cenouras, o alho porró, a abobrinha, a vagem macarrão, a cebola e a cebolinha. em seguida, despeje o caldo de legumes suficiente e, em fogo baixo, cozinhe os legumes até ficarem all dente.
acrescente a mistura de amido de milho e caldo de legumes reservada.
neste momento, adicione o manjericão picado.
acrescente um leve toque doce adicionando o mel/glucose de milho, tempere com pimenta, e acerte o sal. regue com um pouco de azeite.

em uma frigideira grande, toste as nozes/amendoim triturado, com um tiquinho de azeite.

dirija-se à assadeira onde está a massa, polvilhe com o amendoim/nozes tostadas e trituradas, espalhe a muçarela ralada, regue com azeite, e coloque no forno até derreter/dourar.
sirva cada porção sobre um tanto do molho de legumes, e algumas folhas de manjericão.

abracadabra et, voilà!!!

sábado, 7 de setembro de 2013

penne gratinado

prato delicioso, massa com creme ...

ingredientes:
500 gramas de macarrão penne
250 g de queijo gruyère, cortado em cubos
250 g de muçarela ralada
250 g de gorgonzola esfarelado
250 gramas de bacon, cortado em cubinhos
1/2 pimentão vermelho, cortado em cubos
1/2 pimentão verde, cortado em cubos
50g de queijo parmesão ralado
2 colheres - sopa - de azeite de oliva
1 lata de creme de leite

preparando:
em uma panela cozinhe a massa ao dente, escorra bem, coloque num refratário, envolva/misture com o azeite de oliva e o queijo parmesão. reserve.

doure o bacon, escorra em papel absorvente e despreze a gordura da panela.
na mesma panela salteie os cubos de pimentão.

misture o queijo gruyère, a muçarela, o gorgonzola, o creme de leite, o bacon, os cubos de pimentão.

despeje a mistura sobre o macarrão e leve ao forno a 200ºc, por 30 minutos até que o queijo derreta e forma leve crosta.

divirta-se!!! porque cozinhar ... é o maior barato!!!

abracadabra et, voilà!!!

requeri/regina claudia

domingo, 7 de abril de 2013

rigatoni ao molho de tomate e brocolis

nem pense no tomate fresco!!! esqueça tudo o que aprendeu sobre ele. aquela fruta ingrata!!!

este molho é feito com derivados de tomate: extrato e molho pronto pedaçudo, fácil de ser encontrado no mercado.



cosinhe 2 brocolis ninja de tamanho pequeno/médio. reserve.

esquente 2 colheres - sopa - de óleo de girassol numa panela, acrescente o conteúdo da latinha de 340g do extrato de tomate, e deixe fritar.

o resultado estará excelente, quando a massa de tomate estiver com aparência de talhada ... fique atenta/o, e não deixe queimar.

nesse ponto coloque alho amassado a seu gosto, 1 cebola média/grande picadinha. deixe fritar, sem queimar ... por favor!!!
feito isto, acrescente um sache de molho de tomate pronto ... coloque água na latinha de massa de tomate e na embalagem do molho pronto, como se fosse lavá-las, despeje sobre o molho, acrescente azeitonas pretas picadas, baixe a chama do fogão, acerte o sal, tampe a panela e deixe apurar.

o resultado estará ótimo, quando uma camada do óleo, pouco óleo, aparecer sobre o molho.

desligue o fogo e acrescente as flores do brocolis cozidas, fazendo com que se misturem ao molho, cuidadosamente.
cozinhe o macarrão e tempere com o molho, salpicando queijo ralado - parmesão, provolone ou muçarela - a gosto.

divirta-se!!!

abracadabra et, voilà!!!

sábado, 5 de novembro de 2011

massa ao molho de queijo azul

quando penso nos queijos gorgonzola ou roquefort, os queijos azuis, imagino imediatamente em figurá-los derretidos, envolvendo alguma massa curta, contando com a colaboração de creme de leite fresco, requeijão cremoso e talos cebolinha verde bem cortados, num molho digno de um rei.

os queijos azuis mais famosos, cá pra nós, são o roquefort e o gorgonzola.

o roquefort é originário da região de rouergue/frança, tem formato cilíndrico e pesa uns 3kg, possue casca de cor clara, quase marfim, meio grudenta. seu sabor pode ser picante dependendo do tempo que dura sua maturação, e sua textura é muito macia.

o gorgonzola é de origem italiana e é maturado pelo mesmo fungo do roquefort, o mesmo que fornece, a ambos, o mofo azulado, e lhes confere a característica única e própria dos queijos azuis.
preparando:
cozinhe 1 pacote - 500g - de massa curta.
corte as cebolinhas verdes, finamente.
frite um dente de alho esmagado - opcional - em 1 colher de manteiga, numa panela ou frigideira.
sobre o alho fritado, derrame 2 copos do creme de leite fresco e 1 copo de requeijão cremoso - que seja o catupiry. movimente a panela, gire, mexa, para que o calor se espalhe e faça o creme e o requeijão começarem a borbulhar.
acrescente ao creme, o equivalente a 2 copos do queijo gorgonzola ou do queijo roquefort esfarelados. continue mexendo, sobre fogo baixo, até que todo o queijo se dissolva no creme.
tempere a massa e polvilhe a cebolinha verde picada sobre tudo.

queijos no brasil.com

abracadabra et, voilà!!!
requeri/regina claudia

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

molho carbonara

para um autêntico gourmand italiano, o spaghetti carbonara, uma combinação de creme, ovos, queijo e bacon é, realmente, um prato romano, mas não é verdade que seja comido apenas em roma ou perto de lá.
alguém que diga ter nascido na itália, e que afirme nunca ter comido spaghetti carbonara, não pode ser reconhecido como um autêntico italiano. digamos que seja uma questão de comprovação de identidade.

na receita original, não se usa creme de leite. o verdadeiro spaghetti carbonara leva queijo pecorino, aquele queijo feito com leite de ovelha. porém, alguns preferem o spaghetti carbonara com o sabor do queijo parmigiano - parmesão ... saiba mais.
quanto ao tipo de massa, o spaghetti é ótimo para este prato, mas talvez o bucatini seja ainda melhor - bucatini é como o spaghetti, mais grosso, e furado no sentido do comprimento.
seja com o spaghetti, seja com o bucatini, massa temperada com o molho carbonara é uma das melhores receitas italianas.

tendo todas essas informações como base, ofereço a receita adaptada ao meu gosto.

ingredientes:
500g de massa - spaghetti ou qualquer outra massa longa da sua preferência
1/2 xícara - chá - de creme de leite
4 ovos inteiros
350g de presunto de peru defumado picado
azeite de oliva extra virgem
1 xícara - chá - de salsa picada
sal e pimenta do reino moída, a gosto
1 xícara - chá - de queijo parmesão ralado
1 xícara - chá - de folhas de manjericão

preparando:

importante:
  • ao escorrer o macarrão, se achar necessário, reserve 1/2 xícara - chá - da água do cozimento para usar no molho.
  • a massa precisa estar bem quente quando adicionar a ela, a mistura de ovos, queijo e creme.

ferva a água e coloque o macarrão para cozinhar.
enquanto a massa cozinha, leve o presunto picado para uma frigideira com um pouco de azeite, e deixe fritar lenta e levemente, em fogo baixo, por 10 a 15 minutos ou até ficar corado. retire o presunto da frigideira e escorra sobre papel absorvente.
em uma vasilha misture os ovos, o queijo, o creme de leite, o azeite, e bata com um garfo, até que tudo esteja completamente misturado.
escorra a massa e, imediatamente, junte com a mistura de ovos e creme, em seguida, adicione o presunto e a salsa picada.
para servir salpique com queijo ralado adicional, se desejar.

acompanha salada de verduras variadas, pepino, cebola, tomate cereja, e o que mais agradar.

pela combinação de queijo, creme, peru, sugiro vinho tinto leve ou médio ou branco seco, espumante brut ou tinto jovem leve ou de médio corpo, branco jovem ou maduro, ou um vinho tinto maduro robusto ou fortificado.

lembre-se, sabores acentuados como curry, dendê, shoyu, wasabi, ou ácidos feito vinagre, limão, laranja, grapefruit, kiwi, ... ou verduras como a alcachofra, aspargo, couve ... e pratos como a feijoada, não combinam com vinho.
dizem que ovos, chocolate e sopa, também são incompatíveis com a bebida, porém, há controvérsias.

enfim, eu dou a idéia, você faz do seu jeito.

abracadabra et, voilà!!!
requeri/regina claudia

terça-feira, 11 de outubro de 2011

macarrão gratinado

ingredientes:
500g de macarrão - curto ou longo, não importa
3 colheres - sopa - do meu tempero - receita, aqui
1 ou 2 pimentas vermelhas secas picadas - opcional - e você pode usar a pimenta vermelha fresca, retirando as sementes
1,5kg de tomates maduros
1 xícara - chá - folhas de manjericão
1 colher - sopa - de vinagre
2 xícaras - chá - de queijo parmesão ralado - 2 xícaras de muçarela ralada
azeite de oliva extra virgem
sal - ou caldo de legumes
pimenta do reino - opcional

preparando:
pré-aqueça o forno à 200°c.
coloque água salgado pra ferver.
numa panela, aqueça o azeite de oliva extra virgem, 1/2 xícara - chá - mais ou menos, em fogo médio.
frite o meu tempero junto com a pimenta vermelha, sem deixar dourar.
lave e bata os tomates no liquidificador.
acrescente-os ao tempero da panela.
quando começar a ferver, deixe por mais 40 minutos.
acrescente as folhas de manjericão, o vinagre, a pimenta do reino, e acerte o sal. misture, deixe mais 5 minutos e desligue.
cozinhe e escorra o macarrão.
unte, com azeite, um refratário grande.
estenda uma parte da massa, cubra com uma parte do molho, uma xícara do parmesão ralado, outra de muçarela, e vá fazendo as camadas, até que terminem os ingredientes e que a última seja de queijo e muçarela.
leve ao forno por 15 minutos, ou até que esteja gratinado.

enfim, eu dou a idéia, você faz do seu jeito.

abracadabra et, voilà!!!
requeri/regina claudia

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

massa para torta com iogurte

tendo publicado a receita anterior, senti necessidade de divulgar duas receitas de massa para torta, que são um diferencial de qualidade.

as duas massas são com iogurte, ingrediente que lhes acrescenta uma textura especial e um sabor muito agradável.

primeira receita - massa líquida:
ingredientes:
12 colheres - sopa - de farinha de trigo integral
1 sache de caldo de galinha ou outro de sua preferência
3 ovos
1/2 de xícara - chá - de óleo
1 xícara - chá - de leite
1 xícara - chá - de iogurte desnatado ou natural
3 colheres - sopa - de queijo parmesão ralado
ou
150 g de queijo gorgonzola
1 colher - sopa - do meu tempero - receita, aqui
1 colher - sopa - de fermento químico em pó

preparando:
deixe o fermento por último. bata todos os ingredientes no liquidificador. em seguida, acrescente o fermento, misture com uma colher, e bata rapidamente, em velocidade mínima, para misturar. reserve.
prepare o recheio de sua preferência, derrame metade da massa sobre refratário untado com óleo, espalhe o recheio, cubra com o restante da massa, e leve ao forno pré-aquecido por 30 minutos, ou até que a massa esjeja dourada.

segunda receita - massa de abrir:
ingredientes:
1 colher - sobremesa - de fermento em pó
1 pote de iogurte desnatado - pode ser o natural
1 colher - sobremesa - de sal
3 xícaras (chá) de farinha de trigo
200g de margarina sem sal em temperatura ambiente
2 gemas

preparando:
numa travessa, colocar a farinha de trigo o sal, o fermento, o iogurte, as gemas, a margarina, e misturar. amassar delicadamente, sem sovar, até desgrudar das mãos.
forrar uma forma com a massa. furar com um garfo, toda sua superfície e as laterais. espalhar o recheio , cobrir com o restante da massa, pincelar com gema dissolvida em um fio de óleo de canola, e assar em forno médio - 180º - por 20 minutos.

abracadabra et, voilà!!!

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

creme de queijos, nozes e manjericão


a receita de hoje alcança uma delícia italiana, o queijo pecorino produzido, no brasil, pela casa da ovelha [entre no site, aqui] de bento gonçalves/rs. a casa da ovelha possui pontos de vendas em quase todos os estados brasileiros. [pontos de venda, aqui]
conheça a história da casa da ovelha no brasil.

pecora é o termo italiano para ovelha, e pecorino é o nome genérico dado a todos os queijos que usam o leite de ovelha como matéria prima.
na itália, ele adquire características específicas dependendo da região de origem, ou da forma como é produzido: tipo e misturas do leite utilizado na fabricação; tamanho dos grânulos; tempo de maturação.
o pecorino é um queijo muito semelhante ao parmesão, porém, mais suave, e muito fácil de ser conservado. à medida que fica mais curado, mais próprio pra ralar ele se torna.

este delicioso molho pode ser preparado de várias formas, e com diferentes ingredientes.
além das massas, que será o caso da receita de hj no blogg, ele tempera salada e batata cozida, peixe cozido ou assado e legumes, ...
escolher os ingredientes é fundamental. um azeite de oliva de ótima qualidade, queijos especiais, ervas muito frescas.

ingredientes:
2 fartos punhados de folhas de manjericão, lavadas e secas
200g de ricota
azeite de oliva extra-virgem
12 nozes
4 colheres de sopa - cheias - de queijo parmesão ralado
4 colheres de sopa - cheias - de queijo pecorino ralado - queijo pecorino é o queijo de origem italiana feito a partir do leite de ovelha. caso não encontre para comprar, dobre a quantidade de queijo parmesão
20 tomates cereja cortados ao meio, e levemente temperados com sal e um fio de azeite extra virgem
500g de qualquer massa curta ou longa da sua preferência

preparando:
coloque todos os ingredientes - menos os tomates cereja - para esfriar na geladeira, incluindo as lâminas do liquidificador ou do mixer. precisamos garantir que o manjericão vai permanecer verde e fresco.
triture as folhas de manjericão e as nozes, juntamente com um cubo de gelo.
acerte o sal, se achar necessário. lembre-se que estamos utilizando queijos salgados.
bata, adicionando o azeite extra virgem em fio. acrescente os queijos, parmesão e pecorino. deixe formar uma pasta e homogênea.
quando tudo estiver agregado e envolvido, acrescente a ricota, e continue a bater.
cozinhe o macarrão al dente, tempere com o creme, e polvilhe com o queijo que preferir, ricota esfarelada, pécora ou parmesão ralados, e enfeite com os tomates cereja cortados ao meio e temperados.

é isso.

requeri/regina claudia

terça-feira, 23 de agosto de 2011

macarronada na panela de pressão



a história atribui ao francês, denis papin, que viveu entre 1647 e 1712 (?), a idéia da panela de pressão.
lá pelos idos de 1679, ele criou um pequeno trambolho, o digestor ou marmita de papin, uma panela de ferro fundido, hermeticamente fechada por uma tampa com válvula - conheça, aqui. a válvula serve para estabilzar a pressão no interior da panela, e é munida de peso suficiente para ser erguida quando a panela alcança uma determinada pressão. isto refere explosão, caso a válvula entupa, então, para evitar um desastre culinário de valor inestimável, uma segunda válvula, a de segurança, foi acrescentada aos modelos modernos.

em 1905, as panelas de pressão ainda eram de ferro fundido.

ingredientes:
1 pacote de massa curta grano duro

peço sua atenção: a massa de grano duro, é feita a partir de um trigo especial chamado trigo durum, que a deixa al dente, soltinha e consistente, mesmo que o cozimento tenha ultrapassado o tempo ideal indicado pelo fabricante.

550g de molho de tomate - pode ser o purê de tomate
1 beringela, grande cortada a seu gosto
1 caixa de creme de leite
1 litro de água
1 xícara - chá - de azeitonas pretas picadas
azeite extra virgem
alho e cebola picados
bastante cebolinha picada
folhas de manjericão
queijo parmesão
sal, se necessário

saiba sobre tipos de massas, sua composição e seus formatos

preparando:
ferva a água.
esquente o azeite na panela de pressão, frite o alho, depois a cebola e, em seguida, coloque os outros ingredientes: molho de tomate, creme de leite, as azeitonas, a beringela, o macarrão cru. acrescente a água fervida e tampe a panela. assim que começar a pressão, espere passar 3 minutos, e desligue.
coloque numa travessa e acrescente a cebolinha picada, o queijo parmesão e o manjericão.

surpreenda-se!!!

requeri/regina claudia

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

o melhor da massa é o molho



molhos sempre vão existir como protagonistas da produção gastronômica.
molhos são inventados e reinventados.
beneficiados pela escolha dos ingredientes, quanto mais coloridos, mais darão ao produto final, referências inigualáveis a favor do bom sabor, a favor do equilibrio nutricional.
um pouco de imaginação leva qualquer um que se aventure culinária a dentro, a um resultado surpreendente.

não tenho dúvida de que o exagero me fez boa cozinheira. não sei cozinhar pra dois. só sei cozinhar pra 20. o molho desta receita, criei na quantidade exata pra poder ser guardado para o próximo domingo, e o próximo, e o próximo, ... ou pra uma emergência. basta congelar.

saiba sobre tipos de massas, sua composição e seus formatos

ingredientes:
1 pacote de macarrão de sua preferência, cozido, regado com azeite e reservado - uso o parafuso que algumas marcas denominam, fusilli, ou o penne, pois, são formatos cujas saliências e reentrâncias são preenchidas pelos molhos
2 beringelas, grandes, raladas no ralo grosso
1 cenoura, grande, ralada no ralo grosso
1 abobrinha, grande, ralada no ralo grosso
para ralar eu uso o processador. caso não seja possível, use um ralador manual ou corte os legumes bem miudinho
150g de azeitonas verdes sem caroço, cortadas ao meio
1,350kg de molho de tomates - feito por você ou comprado pronto
1 envelope - 0% de gordura - de caldo de galinha caipira
2 colheres - sopa - óleo
2 colheres - sopa - molho de soja
2 folhas de louro
queijo parmesão ralado, à vontade, pra quem quiser
folhas de manjericão

preparando:
coloque numa caçarola grande, os legumes ralados, o óleo, o molho de soja, o envelope de caldo de carne, as folhas de louro, e refogue. incorpore todos os ingredientes até que os legumes murchem e fiquem bem agregados aos temperos.
acrescente o molho de tomate, espere ferver, abaixe a chama do fogão e deixe apurar por 40 minutos.

prepare os pratos, individualmente, utilizando o macarrão reservado e regado com o azeite. tempere cada prato com o molho, e salpique com queijo ralado. acrescente folhas de manjericão. tudo na medida certa da preferência do "freguês".
não esqueça do vinho, ou da bebida que cada um achar ideal.
essa prática aconchega, torna a refeição mais calma, induz à conversa com alegria e, principalmente, ao saborear com delicadesa, cada bocado.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

massa pra torta com catupiry


catupiry, - requeijão cremoso - em sampa, é sinônimo de receitas exemplares, a começar das de pizza.
a fórmula secreta do catupiry foi criada em 1911, em lambari/mg, por um casal de imigrantes italianos.
de lá pra cá, ela passou por transformações, mas ... catupiry, é catupiry!!! sendo o autêntico, ...

a primeira fábrica foi instalada na barra funda/av. rudge/218, e era fácil chegar ali, para comprar, na lojinha, quantas embalagens quisesse, do delicioso queijo cremoso.
as caixinhas de madeira, tentadoramente colecionáveis são amplamente utilizadas como guarda trecos, nas casas das melhores famílias paulistanas. hoje a caixinha virou artefato cult na sociedade brasileira, e pode ser adquirida na lojinha da fábrica.
então, vamos lá!!!
quem conseguir chegar à fábrica do catupiry, para fazer compras na lojinha, vai encontrar uma lanchonete ótima, abarrotada de tranqueiras comestíveis, todas feitas à base daquele objeto dos desejos das mais secretas gulodices.
indo até lá, dá pra ter certeza de que a esmagadora maioria daquelas plaquinhas com os dizeres: aqui usamos catupiry original, não passa de intriga da oposição. o verdadeiro catupiry é aquele entranhado nos produtos daquela lojinha, fresquinhos e autenticamente deliciosos.
eles vendem todos os produtos que fabricam, vendem a caixinha de madeira, e mais uma variedade de tentadores alimentos, além de produtos de outros fabricantes: manteiga, doces, mussarela de búfala, sorvetes, temperos, ...

a culinária, atividade que nos dá a oportunidade de criar qualquer comilança, conta com uma receita excelente de massa pra torta feita com catupiry.


copie:
amasse um queijo catupiry com
250 g de manteiga
1/2 k de farinha de trigo - pode ser branca ou integral
1 colher de sobremesa de fermento químico
sal a gosto
orégano

utilize:
ligue o forno em temperatura média.
use uma forma desmontável, ou uma assadeira que possa ir à mesa.
quando a massa estiver lisa e uniforme, divida-a em duas partes. com uma delas, e com a ajuda das mãos, forre uma forma, preencha com o recheio de sua preferência - pode ser uma mistura feita com presunto, mussarela, molho de tomate, orégano - cubra com a outra parte, pincele com uma gema dissolvida em uma colher de sobremesa de óleo, e leve ao forno.
sirva na própria forma/assadeira.

é isso.

requeri/regina claudia


quarta-feira, 28 de julho de 2010

macarrão, legumes e ... pronto!!!


se escrever é um ato positivo e inspirado, per si, escrever sobre alimentos é positivo, inspirado e apaixonante. escritores de alimentos usam criatividade com palavras e com receitas. é o alimento em perspectiva. a cozinha vibrante vem de culturas antigas, e uma coisa puxa a outra. o escrito sobre alimentos conta história, conta lenda.

macarrão!!! discute-se sobre ele não é de hoje. a palavra, vem do grego, vem do latim??? começa daí. fui pedir auxílio à boa e antiga enciclopédia, aquela coleção de livros, letras sobre papel, uma após a outra, sem dúvida, pura confiabilidade!!! lá está escrito que a palavra macarrão, deriva da italiana, maccherone, e quer dizer, pasta fina.
história vai, história vem, e houveram algumas tentativas de relacioná-la com a palavra grega makaria - caldo de cevada - ou com a italiana ammaccare, do latim macerare - ferir ou esmagar - quando se trata do trigo triturado.

não sei bem qual a idéia que estou tendo ao escrever agora, mas talvez haja algo aí mesmo, na reflexão sobre cozinhar e escrever o cozinhado. sei que não pretendo dizer sobre macarrão e marco polo que nasceu em 1254. dizer, o quê??? se 3000 anos a.c. já existia documentação sobre ele, o macarrão. se não, por que os etruscos gravariam em uma tumba, facas, uma rodinha utilizada no corte da massa e um rolo de macarrão???
pensando grossamente na história, até 2010, daria pra montar um bom tanto de texto com estudos da culinária de todos os cantos e um mapa farto de, por exemplo, onde o macarrão iniciou sua jornada e de tudo que acontecia à sua volta.
eis aí uma pequena amostra de como a história se desenrola. no entanto, por ser antiga, e por ser história, ela é dita e localizada de formas diversas. dá um nó no tempo, é atemporal, adquire amplos sentidos e produz sua própria versão dependendo daquele que se diverte especulando e escrevendo sobre ela.

lenda é lenda!!!

o que é de fácil constatação é que a pasta, o macarrão, a massa, se dá ao desfrute de ter uma infinita variedade de formas e se banha, ludicamente, com outro tanto infinito de cores, cheiros, sabores e consistências de molhos.

contudo, não permito terminar este texto sem mencionar o escritor romancista, dentre todos, aquele que mais exultou a alimentação, prerrogativa de quem escreve ficção lembrando que personagens podem ter fome e, até, conseguem saborear alimentos ... eça de queiroz.
se escrever romances é um ato de amor acho que posso fazer valer o pensamento que me brotou desde o tempo em que o porrinha se alimentava por aqui: alimentação, a mais primitiva e eficiente demonstração de amor.

trata-se da receita de macarrão e legumes.

medidas:
colher = sopa

quem vai pra panela???
1 pacote de macarrão
3 abobrinhas médias, raladas
1 pimentão verde cortado em cubos
1 pedaço de abóbora de, mais ou menos, 450 g, cortado em cubos - aquela de fazer quibebe e doce, que chamam de pescoço
1 escarola picada
1 maço de cebolinha verde picada - alguns ingredientes culinários eu os pico com o auxílio de tesoura. a cebolinha é um deles.
1 lata de ervilhas com a água - se não gostar de ervilhas, substitua por milho verde, por cogumelos, ...
3 tabletes de caldo de frango assado, costelinha de porco ou legumes
3 tomates, grandes, vermelhinhos, sem pele, picados
óleo e/ou azeite de oliva extra virgem
2 colheres do meu tempêro

como fazer???
enquanto ferve a água e cozinha o macarrão, frite o tempêro no óleo e/ou azeite junto com os tabletes de caldo. acrescente os tomates deixe apurar e acrescente a abóbora. refogue. acrescente o pimentão. refogue. acrescente a abobrinha ralada. refogue. acrescente a escarola. refogue. acrescente a lata de ervilhas, deixe incorporar todo mundo, e apurar. acrescente a cebolinha verde picada. acerte o sal. misture tudo. desligue o fogo. pronto!!!
apurar pode significar deixar no fogo médio por uns 15 minutos, até que o molho esteja encorpado.
tempere o macarrão, e alerte os comensais, sobre o prazer que sentirão se deitarem um fio de azeite de oliva sobre seus pratos.

é isso.